Arquivo da categoria: Tecnologia

Huawei Está à Venda?

Ren Zhengfei parece preparado para vender toda a tecnologia Huawei 5G a um comprador ocidental 

By The Economist Sep 12th 2019

Em um átrio projetado para evocar a Grécia antiga – cercada por colunas de pedra e seis aproximações imponentes das cariátide – era justo que Ren Zhengfei, executivo-chefe da Huawei, estendesse um ramo de oliveira ao Ocidente: um pedaço de sua empresa.  O edifício palaciano no amplo campus da Huawei em Shenzhen abriga uma sala de exposições que exibe orgulhosamente a tecnologia de “quinta geração” (5G) da gigante chinesa de telecomunicações.  As redes de telefonia móvel ultra-rápidas e ultra-cobiçadas em breve conectam tudo, de carros a robôs industriais. 

É essa tecnologia 5G – central para o crescimento futuro da receita da Huawei – que Ren disse que estava pronto para compartilhar, em uma entrevista de duas horas com o The Economist em 10 de setembro.  Por uma taxa única, uma transação concederia ao comprador acesso perpétuo às patentes, licenças, códigos, códigos técnicos, projetos técnicos e know-how de produção existentes da Huawei.  O adquirente pode modificar o código-fonte, o que significa que nem a Huawei nem o governo chinês teriam controle hipotético de qualquer infraestrutura de telecomunicações construída com equipamentos produzidos pela nova empresa.  A Huawei também estaria livre para desenvolver sua tecnologia em qualquer direção que desejar. 

A Huawei esteve em uma ofensiva de charme este ano.  Isto tem levado Ren a sair uma vez por mês desde janeiro para receber prêmios em entrevistas com meios de comunicação internacionais.  Mas a idéia de transferir sua “pilha” de 5G para um concorrente é de longe a oferta mais ousada a surgir.  “É difícil criar precedentes semelhantes na história da tecnologia”, diz Dan Wang, da Gavekal Dragonomics, uma empresa de pesquisa. 

O objetivo declarado de Ren é criar um rival que possa competir em 5G com a Huawei (que manteria os contratos existentes e continuaria a vender seu próprio kit de 5G).  Para ele, isso ajudaria a nivelar o campo de jogo em um momento em que muitos ocidentais ficaram alarmados com a perspectiva de uma empresa chinesa fornecer o equipamento para a maioria das novas redes de telefonia móvel do mundo.  “Uma distribuição equilibrada de interesses é propícia à sobrevivência da Huawei”, diz Ren. 

Sem brincadeiras.  Um ataque de meses por parte da América atacou a empresa, cujas redes globais suspeita permitir que a China espie outras pessoas.  Os Estados Unidos também tentaram pressionar os aliados a não usarem os equipamentos da Huawei quando eles começaram a construir suas próprias redes 5G.  Em maio, as empresas americanas foram impedidas de vender componentes e software para a Huawei, alegando que ela representava um risco à segurança nacional.  No mês passado, os EUA impediram as agências governamentais de negociar com ele (a empresa está contestando essa proibição em tribunal). 

À primeira vista, o gesto de Ren tem muito a oferecer.  Se a venda acabasse dando origem a um concorrente próspero, países como a Austrália (que proibiu o equipamento da Huawei) não precisariam mais escolher, por um lado, a tecnologia em suas redes de ponta e barata, como a Huawei, e, por outro lado, temores de espionagem chinesa.  Eles poderiam ter a melhor tecnologia de um aliado.  As decisões sobre a compra de equipamentos de telecomunicações poderiam então retornar dos políticos às salas de reuniões pragmáticas. 

O gesto também pode convencer os suspeitos da tecnologia da Huawei de que as intenções de negócios da empresa são duras.  Ren diz que o dinheiro do acordo permitiria à Huawei “avançar ainda mais”.  O valor de todo o portfólio de tecnologia de 5G da empresa, se fosse vendido, poderia chegar a dezenas de bilhões de dólares.  Na última década, a empresa gastou pelo menos US$ 2 bilhões em pesquisa e desenvolvimento para a nova geração de conectividade móvel. 

Ao dizer que quer criar uma corrida tecnológica mais justa, Ren também está tentando dissociar os temores de segurança americanos daqueles do domínio de mercado da Huawei.  Sua oferta é “essencialmente chamar a atenção deles”, diz Samm Sacks, da New America, um think tank em Washington.  Como ela ressalta, o governo dos Estados Unidos está trabalhando em como criar um rival para a Huawei, seja promovendo empresas americanas ou ajudando a fortalecer seus dois principais concorrentes globais: Ericsson, uma empresa sueca, e Nokia, uma finlandesa.  Também estão em andamento movimentos para tornar certos componentes das redes móveis intercambiáveis entre si, para permitir que as operadoras misturem e combinem com os fornecedores mais facilmente.  A Openran, um órgão de padrões, quer que fabricantes de infraestrutura como a Huawei cheguem a um acordo sobre os padrões da tecnologia em suas redes que transportam dados para facilitar a operação conjunta.  Até agora, a Huawei se recusou a participar. 

No entanto, as questões sobre a viabilidade do negócio são abundantes.  A China aceitaria se apossar de uma parte essencial de uma de suas poucas corporações mundialmente poderosas?  Para melhor ou pior, o 5G se tornou um proxy para a superpotência.  Como Ren disse ao The Economist, “5G representa velocidade” e “os países que têm velocidade avançarão rapidamente.  Pelo contrário, países que perdem velocidade e excelente tecnologia de conectividade podem sofrer desaceleração econômica. ” 

Mesmo que o estado chinês tenha abençoado, quem poderia ser o comprador?  Ren diz que “não faz ideia”.  Analistas suspeitam que gigantes como Ericsson e Nokia aceitariam uma oferta por orgulho e questionariam o valor da tecnologia da Huawei.  (Tendo registrado perdas no ano passado, elas também estão com pouco dinheiro.) A tecnologia pode não ajudar uma empresa menor a competir em pé de igualdade com a Huawei.  A empresa chinesa está tão bem consolidada com as grandes operadoras, dizem os consultores, que não faria sentido financeiro para a maioria delas contratar um novo fornecedor.  A Samsung, uma gigante da eletrônica sul-coreana, tem bolsos profundos e um negócio pequeno, mas crescente, de equipamentos de rede – e sem concorrentes rivais, poderia gerar uma barganha difícil.  Um consórcio de compradores é possível;  quem inventaria um não é claro, no entanto. 

Os pretendentes podem ser adiados por outras considerações.  Se a Huawei estiver realmente pronta para transferir toda a sua tecnologia para outra empresa, então, como assinala Wang, “ela deve aceitar o risco de um grande concorrente no futuro”.  Mas o domínio da Huawei deve tanto à tecnologia quanto aos baixos preços e à velocidade com que ela pode lançar os produtos, diz Sacks.  Sua disposição em servir lugares em que as empresas ocidentais evitam também é um fator: quem além da Huawei passaria por pântanos da malária na África e transportaria estações-base pelos flancos das montanhas colombianas?  Ren sabe disso.  Perguntado se ele achava que uma empresa americana, com o precioso know-how da Huawei em mãos, seria capaz de realizá-lo, ele disse com arrogância: “Acho que não.” Mas os potenciais compradores também o conhecem. 

Por fim, poucos acreditam que uma venda aplacaria o aparato de segurança nacional da América, pelo menos no curto prazo.  Um novo concorrente quase certamente ainda precisaria fabricar equipamentos na China, que produz metade do kit de telecomunicações da América.  As preocupações com a interferência chinesa não desapareceriam.  E a mais recente ofensiva da Huawei não é só charme.  Na semana passada, acusou as autoridades americanas de cometer infrações enquanto se apresentavam como trabalhadores da Huawei, a fim de “fazer acusações sem fundamento contra a empresa”.  Também acusou o governo americano de atacá-lo com ataques cibernéticos.  Isso pode azedar as relações. 

A proposta do Sr. Ren poderia, então, ser um sinal de desespero?  Nem um pouco disso, ele diz.  Ele afirma que a Huawei encontrou fornecedores alternativos para seus negócios de infraestrutura de rede que não são afetados por sua lista negra na América.  Ele nega que a empresa faça uma perda no próximo ano. 

No entanto, o negócio do consumidor está sob pressão.  Metade das vendas de US $ 105 bilhões da empresa no ano passado vieram dos 208 milhões de smartphones vendidos em todo o mundo.  O mesmo aconteceu com uma participação enorme nos lucros.  Este negócio está em apuros.  Os telefones que a Huawei vende fora da China são dispositivos de comunicação desejáveis, em grande parte graças ao software proprietário disponível exclusivamente no Google.  O Android, o sistema operacional móvel do Google, usado pela Huawei, é de código aberto e está disponível gratuitamente.  Mas os aplicativos da gigante americana de tecnologia não são.  Como o Google é americano e seus aplicativos são compilados nos Estados Unidos, a proibição do Departamento de Comércio de vendas de tecnologia americana para a Huawei se aplica a eles. 

Ren diz que o Google pressiona o governo Trump para permitir que ele volte a fornecer à Huawei o software proprietário Android, mas até agora sem sucesso.  A menos que a política americana mude, a Huawei continuará paralisada com a versão de código aberto do Android, sem nenhum dos aplicativos que os consumidores esperam.  A empresa chinesa está desenvolvendo seu próprio sistema operacional, o Harmony OS, mas não será rival do maduro ecossistema Android nos próximos anos. 

Isso significa que todos os novos telefones Huawei serão enviados sem o Gmail, Google Maps, YouTube ou, crucialmente, Google Play Store.  A Play Store é o que permite aos usuários do Android baixar aplicativos como WhatsApp, Instagram e Facebook com facilidade.  O WhatsApp, em particular, tornou-se um modo padrão de comunicação em grande parte do mundo fora da América.  A menos que seu governo pare, os novos smartphones da Huawei serão pouco mais do que câmeras decentes que fazem chamadas telefônicas.  A empresa lançará o Mate 30, o primeiro telefone topo de gama desde a sua lista negra, no dia 19 de setembro em Munique.  A Huawei afirma que seus recursos de hardware aumentarão as vendas.  Mas é improvável que um telefone que não possua funções básicas seja um sucesso.  Um negócio de consumo enfraquecido prejudicaria os lucros. 

A participação da Huawei no mercado chinês de smartphones, onde nunca se baseou nos aplicativos do Google, está crescendo rapidamente.  Mas dois quintos de suas vendas anuais por telefone, ou aproximadamente US $ 20 bilhões, vêm de fora do país.  Embora os executivos da empresa tenham recusado repetidamente compartilhar quaisquer projeções, o crescimento da receita em toda a empresa nos oito meses a agosto diminuiu para 20%, ano a ano, de 23% no primeiro semestre de 2019. Se o Mate 30 e seus sucessores fracassarem,  A Huawei perde bilhões de dólares em receita anual. 

Desafios semelhantes da cadeia de suprimentos afetam outras partes de seus negócios.  Seus codificadores são ferramentas de software de programação conhecidas como compiladores e bibliotecas, usadas para criar o software que fornece todo tipo de dispositivo eletrônico, não apenas smartphones, mas também equipamentos de rede.  Assim como o Android, a Huawei teria que criar sua própria versão e um ecossistema tecnológico ao seu redor.  Esses ecossistemas levam anos para evoluir e há apenas uma empresa a fazer para estimular essa evolução, que conta com desenvolvedores de terceiros, com seus próprios objetivos e incentivos.  A experiência da Huawei em tecnologia alta e difícil é de pouca utilidade aqui. 

E, apesar das garantias de Ren, as finanças da Huawei estão sendo reduzidas.  Até ele admite que suas relações com grandes bancos ocidentais, como o hsbc e o Standard Chartered, foram interrompidas.  Ainda assim, a empresa tem muito dinheiro e ele diz que os bancos menores continuam dispostos a emprestar a ele.  O Banco de Desenvolvimento Chinês, que supostamente estendeu linhas de crédito para a Huawei e a zte, uma concorrente chinesa, no passado, pode aumentar se necessário.  Ren e seus subordinados afirmam repetidamente que o fluxo de caixa é “saudável”, apontando para o furioso trabalho de construção da empresa.  Acabou de concluir um campus de pesquisa de 120 hectares e US $ 1,4 bilhão. 

A Huawei está sendo forçada a se transformar de uma empresa que fabrica e vende hardware em uma que também produz muitos componentes que costumava comprar de outras empresas.  Esse tipo de mudança pressiona uma empresa.  Sua vaca leiteira está ameaçada, mesmo tendo que investir pesadamente para substituir os fornecedores e o software que não pode mais receber da América.  Ren pode esperar que sua venda discutida da tecnologia 5g da Huawei lhe dê combustível suficiente para que a empresa voe cada vez mais alto.  Mas olhe por trás dos afrescos vistosos de Shenzhen e seu gesto mais vistoso, e o futuro da Huawei parece decididamente nebuloso. 

Aliança busca um sistema mais inteligente para o varejo de alimentos

A IMS Evolve, uma empresa de Internet das Coisas Industrial (IIoT), anunciou uma parceria estratégica com a Current, desenvolvida pela GE, para fornecer soluções de IoT ao setor de varejo de alimentos.  A parceria aproveita os recursos de integração e automação do IMS Evolve e a infraestrutura de controles sem fio da Current Daintree para ajudar os varejistas de alimentos a reduzir custos operacionais e melhorar a experiência do cliente.

A nova parceria visa gerar economia de energia, desperdício e manutenção, aproveitando dados em tempo real dos ativos em toda a empresa.  De acordo com os parceiros da aliança, uma mercearia regional dos EUA instalou recentemente o sistema em quase 200 lojas e está no caminho de economizar centenas de milhares de dólares nos próximos meses, simplesmente identificando e removendo o excesso de ciclos de degelo em casos de refrigeração.  O cliente estima que o projeto proporcionará mais de US $ 1,2 milhão em economia anual por meio de uma combinação de refrigeração, HVAC e economia de energia relacionada à iluminação, além de reduzir a deterioração dos alimentos em 30% e reduzir as chamadas de manutenção reativa em 25%.

A plataforma IMS Evolve IIoT integra infraestrutura e sistemas de refrigeração, iluminação e HVAC existentes, fornecendo acesso a dados acionáveis em tempo real e em toda a frota em uma única plataforma, sem a necessidade de substituição e substituição.  O software pode ser executado de forma nativa no controlador de área sem fio (WAC) da Current, com os dados sendo adquiridos e aproveitados pelo sistema IMS para impulsionar a automação do processo.

PRÉ-LANÇAMENTOS DA ENERGIA 2020

A Energia lançará várias novidades sobre sua Linha de Produtos para 2020.

Algumas dessas novidades serão antecipadas a partir das Feiras da SET em São Paulo, da BIRTV em Beijing e da IBC em Amsterdam.

TC-LJ – Carregador Super Rápido

Enfim um carregador para quem não tem tempo a perder!

Trata-se de um carregador portátil com 8A de capacidade, isso significa 4 vezes mais potente que os carregadores comuns. Os tempos de Carga serão reduzidos extremamente.

POCKELITE F7

É uma luminária que todos os diretores de fotografia e cinegrafistas iram desejar ter no bolso da jaqueta.

É uma luminária tipo On-Camera, RGBW com mais de 16 milhões de cores e geradora de efeitos, capaz de simular as luzes de veículos de emergência (polícia, ambulância e bombeiros) e inúmeros outros efeitos.

Acordeon

Luminária com lente Fresnel de cristal e superpotente, 10.340 lux@3m@180 (equivalente mais de 4KW de tungstênio com filtro daylight).

Possibilidade de ajustes de intensidade (dimmer) e de foco por DMX.

Luz de alta qualidades com TLCI acima de 98%.

Alimentação por AC ou por baterias tipo V-Mount ou Golden Mount.

NOVAS BATERIAS

A Energia lança uma nova linha de baterias com preços abaixo do praticado no mercado e com novas funcionalidades.

As novas baterias usam as mais modernas células de Íon de Lítio que resulta num aumento de energia porem com uma grande redução de preços.

Todas as baterias desta série trazem também conectores complementares tipo USB e D-Tap que permitem a utilização das baterias para alimentar outros dispositivos como luminárias, celulares, tabletes, etc.

Flamengo desbanca gigantes europeus e quebra recorde mundial de audiência no Facebook

Transmissão da partida contra o San José-BOL chegou a 1 milhão de espectadores.

Rio – A goleada por 6 a 1 do Flamengo sobre o San José-BOL, na última quarta-feira, no Maracanã, registrou recorde mundial de audiência no Facebook.

O recorde anterior pertencia ao duelo decisivo entre PSG x Manchester United, pelo jogo de volta das oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa. Pouco mais de 860 mil usuários chegaram a acompanhar o jogo em tempo real. Vale lembrar que os duelos do torneio europeu exibidos pelo Facebook Watch contam com equipes de transmissão do Esporte Interativo.

Já as partidas de Libertadores, sempre transmitidas às quintas-feiras, contam com equipe do FOX Sports. O duelo entre Flamengo x San José teve a narração de João Guilherme e comentários de Eugênio Leal.

O acordo entre Conmebol e Facebook prevê a transmissão de 17 jogos durante a fase de grupos da Libertadores.

Esta é realmente a próxima revolução na tecnologia de TV

LAS VEGAS – Uma das coisas mais empolgantes presente no show tecnológico da CES deste ano foi um homem montando uma TV. Parecia mais que ele estava pendurando fotos na parede. Ele pegava peças quadradas de uma pilha, prendia-as à parede e, em seguida, parafusava uma pequena placa no topo. Um momento depois, a superfície voltaria à vida. Ele anexaria outro e estenderia a imagem. Ele construiu uma TV de uma vez, e ficou incrível.

ladrilhos

Este conjunto particular foi um protótipo de um novo projeto de TV modular da Samsung. Na CES, a empresa exibia telas tão pequenas quanto uma capa de revista e tão grandes quanto 219 polegadas – o que chamava, apropriadamente, de The Wall. O objetivo da Samsung é permitir que os clientes escolham o tamanho e o formato exatos de sua própria TV, montados como blocos de Lego.

sala de estar

Você não poderá comprar o The Wall por enquanto – e mesmo assim ele só será acessível para pessoas que já possuem vários iates – mas enquanto isso, a Samsung pretende vender uma TV 4K de 75 polegadas com base na mesma tecnologia. É chamado de MicroLED, e vale a pena saber agora, porque é a maior mudança chegando às telas em muito tempo.

Por anos, o LCD (também conhecido como display de cristal líquido) tem sido a tecnologia de TV dominante. Mas o LCD tem uma desvantagem: seus pixels basicamente ficam em uma folha de vidro e não podem ser vistos bem, a menos que haja uma grande luz – ou muitas pequenas luzes – brilhando através dela. Sem a luz, sua TV ficaria mais parecida com um Amazon Kindle. A luz de fundo, no entanto, significa que as cores escuras só podem ser muito escuras.

Mais recentemente, uma tecnologia chamada OLED (diodos emissores de luz orgânicos) atingiu o mercado de ponta. Em vez de a luz precisar atingir cada pixel, ou grandes aglomerados de pixels, os pixels podem acender individualmente. Isso é bom para o consumo de energia e excelente para a qualidade da imagem: qualquer pixel supostamente preto só fica desativado, o que significa cores mais profundas e melhor contraste. Mas OLED depende de compostos orgânicos (daí o nome), que se degradam com o tempo e podem causar problemas de tela.

a tela

 

O MicroLED é, pelo menos em teoria, o melhor de todos os mundos. Uma tela MicroLED é composta de um grande número de pequenas versões dos LEDs que você já conhece e ama. Cada um é autoalimentado, por isso, pode ter qualidade de imagem semelhante ao OLED, mas o material inorgânico da MicroLED não se degrada com o tempo ou causa a queima da tela. O MicroLED também é menor, mais fino e mais brilhante, de modo que suas telas podem ser ainda mais planas, mais finas e com menos consumo de energia.

“Os MicroLEDs são a nova tecnologia de exibição mais interessante e empolgante desde o lançamento dos produtos OLED a partir de 2010”, disse Ray Soneira, executivo-chefe da DisplayMate, uma empresa de pesquisa de tecnologia de exibição.

bailarina

A Samsung pode ter tido a maior tela MicroLED da CES – e pode estar chegando ao mercado mais rapidamente com o primeiro conjunto direcionado para a sala de estar -, mas muitas outras empresas estão trabalhando com a tecnologia. Os gigantes da TV, LG e Sony, exibiram seus próprios displays MicroLED. Em 2014, a Apple adquiriu uma empresa chamada LuxVue, que também estava trabalhando em displays MicroLED.

De certa forma, a tecnologia pode ser ainda melhor para telas menores, como telefones ou smartwatches, ou futuros dispositivos, como headsets de realidade virtual e óculos de Realidade Ampliada (AR). A tela do seu telefone é responsável por uma grande quantidade de consumo de bateria. Quem não gostaria de ter uma tela que consome menos energia, tenha melhor aparência e possa alterar sua forma e tamanho?

Sua TV MicroLED está muito distante. “Uma proporção muito alta de displays usando MicroLEDs não acontecerá nos próximos anos”, disse Jamie Fox, analista da empresa de pesquisa IHS Markit. “Ainda é muito cedo no progresso desta tecnologia. ” Tanto quanto qualquer outra coisa, é um desafio de fabricação: seu Samsung Wall precisaria de uma colocação cuidadosa de milhões de minúsculos sub-pixels, cada um menor que um fio de cabelo humano. Isso é caro, difícil e lento, três palavras que ninguém gosta de sair da linha de fábrica.

Ainda assim, o MicroLED é a tecnologia de exibição para assistir nos próximos anos. Quando a produção do MicroLED aumenta e os custos diminuem, a ideia de pontilhar cada superfície com pixels não parece louca. William Shakespeare escreveu de forma famosa: “Todo o mundo é um palco”. Mais provavelmente, algum dia não muito longe, todo o mundo será uma tela.

By David Pierce – The Wall Street Journal

A Revolução na Comercialização de TV

by Alexandra Bruell alexandra.bruell@wsj.com


As redes de TV têm vendido, servindo e medindo anúncios com os mesmos sistemas e processos há décadas. Mas os tempos estão mudando. Mais pessoas estão comprando TVs inteligentes conectadas à internet e empresas de tecnologia independente estão encontrando novas maneiras de coletar dados sobre a visualização de shows e anúncios em aparelhos de TV individuais. Aqui estão algumas dessas empresas prestes a agitar o negócio antiquado de anúncios de TV, enquanto ainda tentam estar atentos à sua privacidade.

LUGARES DE NEGOCIAÇÃO

A tecnologia da Sorenson supera os anúncios existentes em televisores inteligentes com novos anúncios mais segmentados. O Sorenson Media fez seu nome em tecnologia de codificação e compressão de vídeo, mas a empresa com base em Utah agora faz ondas tranquilas na medição de mídia e publicidade endereçada. A empresa, que é de propriedade maioritária do empresário de Utah, Jim Sorenson, e administrada pelo veterano de mídia digital Marcus Liassides, possui tecnologia que pode detectar e analisar o que está em uma tela de TV inteligente e, em seguida, substituir um anúncio por um supostamente melhor orientado para uma casa específica. A Sorenson tem acesso à visualização de dados através de relacionamentos com fabricantes de TV inteligente que implementam sua tecnologia. A empresa de mídia – seja uma rede nacional ou uma estação de TV local – também desempenha um papel. Eles devem instalar um servidor Sorenson, que cria uma chamada “impressão digital” do conteúdo reconhecido pela tecnologia nas telas de TV. Sorenson pode então analisar esses dados para ajudar um anunciante a exibir um anúncio de TV direcionado para a TV inteligente de uma casa individual, seja durante a programação de cabo ou de transmissão. (Em separado, a Sorenson também pode licenciar a visualização de dados de terceiros.) A tecnologia da Sorenson permite que uma rede de TV ou estação de TV substitua o anúncio que determinadas famílias vêem. Por exemplo, se uma rede tivesse vendido um anúncio em um show que atinja um milhão de espectadores, Sorenson poderia superar um anúncio diferente para um subconjunto desses agregados familiares. O anunciante cujo comercial foi substituído não seria cobrado. E o novo anúncio só é colocado quando é vendido por mais do que o original. Quando a Sorenson ajuda a estação a vender esse inventário, isso leva uma parte da receita. Alguns anunciantes podem estar felizes por não enviarem um anúncio para alguém fora do público-alvo – enviando um anúncio de fraldas para um casal sem filhos nos anos 60, por exemplo. Alguns, no entanto, podem querer chegar a um público mais amplo, contra um grupo de pessoas hiper-direcionado. Os anunciantes podem optar por tornar o seu comercial não-preemptable, disse o Sr. Liassides. Se eles permitem que seu anúncio seja substituído, eles podem obter um desconto, ele disse. Para fabricantes de TV, empresas como a Sorenson oferecem outro fluxo de receita. Os fabricantes de TV implementam o software gratuitamente, em troca de uma parte da receita que Sorenson obtém das estações de TV. Sorenson tem um acordo com a Samsung, entre outros fabricantes de TV. As empresas de mídia também podem licenciar a tecnologia Sorenson para acesso à visualização de dados, o que pode informar sua própria programação e ajudar seus vendedores a vender anúncios. O Sinclair Broadcast Group é um investidor estratégico em Sorenson. Hearst também tem uma participação. Sorenson, cuja solução de análise está atualmente implantada em mais de 100 estações de transmissão nos EUA, tem pouco menos de 300 funcionários.

OPEN MIC

A tecnologia OPEN MIC Alphonso usa aplicativos móveis com microfone para ouvir o que está em uma TV inteligente. Alphonso é um bom ouvinte. A inicialização da Mountain View, baseada em Ca., gera e analisa dados de exibição de TV que ele coleta através de aplicativos habilitados para microfone nos telefones das pessoas. Os anunciantes podem usar esses dados para medir a eficácia de seus comerciais e retomar os consumidores em outros dispositivos, como telefones celulares. Alphonso assinou acordos com cerca de 1000 desenvolvedores de aplicativos móveis, que podem ouvir o que está em um aparelho de TV. A tecnologia só é desencadeada se o consumidor “optar” depois de ver uma divulgação de privacidade e habilitar o microfone do dispositivo. Os aplicativos, em seguida, combinam uma “impressão digital” ou amostra do áudio para um dos muitos programas reconhecidos automaticamente pelos servidores da empresa. Alphonso disse que também está licenciando dados de empresas como Shazaam e TiVo. A empresa recebe um relatório imediato sobre o que as pessoas estão assistindo, bem como informações sobre quando e onde eles estão navegando em seus telefones celulares. Um produto separado de “recarga” pode alertar um comprador de anúncios para o fato de que um visualizador está jogando um jogo Zynga em seu telefone, por exemplo, e permitir que eles atendam o mesmo anúncio que ele detecta na tela da TV na página Zynga. A Alphonso faz parceria com empresas terceirizadas de dados e tecnologia para servir anúncios em linha, além de fornecer aos anunciantes informações sobre os espectadores e as ações que eles fizeram depois de assistir um anúncio, como a compra de um produto em uma loja. Semelhante a Sorenson, Alphonso deve se associar aos fabricantes de TV para acessar a visualização de dados. Alphonso fornece aos fabricantes de TV e chip com dados e análises de visualização gratuitos, além de pagar uma taxa, em troca da capacidade de inserir sua tecnologia nos aparelhos de TV ou chips. A empresa, que arrecadou US $ 5,6 milhões de sua rodada de financiamento da série A no início deste ano, tem cerca de 100 funcionários. O produto de segmentação de anúncios representa cerca de 80% da receita da empresa, e o restante é de seus produtos de dados e análise, disse a empresa.

ÁGUAS DESCONHECIDAS

A tecnologia Watermark da Verance permitirá publicidade direcionável na “próxima geração TV” A tecnologia Watermark da Verance tem protegido a indústria da música e os estúdios de Hollywood contra a pirataria desde a década de 90. Agora, a empresa de 60 pessoas, baseada em San Diego, está entrando no negócio de anúncios de TV. A empresa foi aprovada por uma coalizão de associações de TV para apoiar uma atualização nacional de transmissão, denominada ATSC 3.0, que, eventualmente, tornará possível aos anunciantes atender anúncios direcionados sobre transmissões de ondas de rádio para aparelhos de TV individuais e telefones celulares em todo o país. A atualização, que exige a revisão das infra-estruturas da estação e a adoção por parte do consumidor de TVs inteligentes atualizadas que ainda não estão disponíveis nos EUA, pode demorar vários anos. A tecnologia Watermark da Verance, denominada Aspect, pode gerar dados sobre quais anúncios foram realmente apresentados em algumas TVs ou para determinados agregados familiares, além de desencadear anúncios que são enviados aos espectadores. Estações, fabricantes de TV, anunciantes e outras empresas de tecnologia podem licenciar a tecnologia Watermark da Verance. Veja como funciona: uma “watermark”, um efeito de som inaudível que transmite uma URL, é adicionado a um anúncio ou programa. Após a watermark ser detectada pela Smart TV, a tecnologia da Verance cria um relatório de onde e quando o anúncio foi executado. Quando as TVs são construídas com tecnologia para receber um sinal de transmissão ATSC 3.0, as empresas de mídia e os anunciantes poderão usar o sistema da Verance para atender anúncios segmentados. A tecnologia ativará o código que desencadeia e transmite um anúncio para a tela. A abordagem “watermark” é diferente da tecnologia “impressão digital”, que examina a assinatura de áudio ou vídeo de um anúncio ou programa e o compara a um banco de dados para determinar o que é. A Verance também oferece dados sobre famílias específicas que ele licencia de terceiros. Esses dados são usados ​​para ajudar o anunciante a descobrir quais casas e dispositivos de visualização devem ser alvo. Por exemplo, se as pessoas na casa fizeram compras de iogurte grego através de compras de supermercado online, um anunciante de iogurte grego pode então usar essa informação para comprar anúncios que visem determinadas famílias. Atualmente, a empresa está trabalhando com várias empresas de mídia, incluindo um dos principais radiodifusores que usa a tecnologia da watermark para coletar dados de audiência e usá-la para informar sua estratégia de vendas publicitárias. A empresa disse que também está em negociações com vários fabricantes de TV para incluir seu leitor de watermark em suas TVs.

Essas Empresas de Tecnologia Inovarão a Comercialização da TV em 2018

These Tech Firms Are Vying to Shake Up TV Advertising in 2018

WSJ, Dec 20, 17

TV networks have been selling, serving and measuring ads with the same systems and processes for decades. But times are changing. More people are buying smart TVs that are connected to the internet, and independent tech firms are finding new ways to gather data about the viewing of shows and ads on individual TV sets. Here are a few of those firms poised to shake up the antiquated TV ad business, while still trying to be mindful of your privacy.

TRADING PLACES
Sorenson’s technology overlays existing ads on smart TVs with new, more targeted ads

Sorenson Media made its name in video compression and coding technology, but the Utah-based company is now quietly making waves in media measurement and addressable advertising. The company, which is majority owned by Utah businessman Jim Sorenson and run by digital media veteran Marcus Liassides, has technology that can detect and analyze what’s on a smart TV screen, and then replace an ad with one supposedly better targeted for a specific household.

Sorenson has access to viewing data through relationships with smart TV manufactures that implement its technology. The media company — whether a national network or a local TV station — also plays a role. They must install a Sorenson server, which creates a so-called “fingerprint” of the content recognized by the technology in the TV screens. Sorenson can then analyze that data to help an advertiser serve a targeted TV ad to an individual household’s smart TV, whether it’s during cable or broadcast programming. (Separately, Sorenson also can license viewing data from third parties.)

Sorenson’s technology makes it possible for a TV network or TV station to replace the ad certain households see. For example, if a network had sold an ad in a show reaching one million viewers, Sorenson could overlay a different ad for a subset of those households.

The advertiser whose commercial was replaced wouldn’t get charged. And the new ad only gets placed when it’s sold for more than the original. When Sorenson helps the station sell that inventory, it takes a share of the revenue.

Some advertisers might be happy that they’re not sending an ad to someone outside their target audience — sending a diaper ad to a childless couple in their 60s, for example. Some, however, might want to reach a broader audience, versus a hyper-targeted group of people. Advertisers can choose to make their commercial non-preemptable, said Mr. Liassides. If they allow for their ad to be replaced, they may get a discount, he said.

For TV manufacturers, companies like Sorenson offer another revenue stream. TV manufacturers implement the software for free, in exchange for a share of the revenue that Sorenson gets from the TV stations. Sorenson has a deal with Samsung, among other TV manufacturers.

Media companies can also license Sorenson technology for access to viewing data, which can inform their own programming lineup and help their salesforces sell ads. Sinclair Broadcast Group is a strategic investor in Sorenson. Hearst also has a stake. Sorenson, whose analytics solution is currently deployed across over 100 broadcast stations in the U.S., has just under 300 employees.

OPEN MIC
Alphonso’s technology uses microphone-enabled mobile apps to listen to what’s on a smart TV

Alphonso is a good listener.

The Mountain View, Ca.-based startup generates and analyzes TV viewing data that it collects through microphone-enabled apps on people’s phones. Advertisers can use that data to measure the effectiveness of their commercials and retarget consumers on other devices such as mobile phones.  Alphonso has inked deals with around 1000 developers of mobile apps, which can listen to what’s on a TV set.

The technology is only triggered if a consumer “opts in” after seeing a privacy disclosure and enables their device’s microphone. The apps then match a “fingerprint” or sample of the audio to one of the many shows that’s automatically recognized by the company’s servers. Alphonso said it’s also licensing data from companies like Shazaam and TiVo.  The company receives an immediate report on what people are watching, as well as information on when and where they’re surfing on their mobile phones. A separate “retargeting” product can then alert an ad buyer to the fact that a viewer is playing a Zynga game on their phone, for example, and allow them to serve the same ad that it detects on the TV screen to the Zynga page.  Alphonso partners with third-party data and tech firms to serve online ads, as well as provide advertisers with information on the viewers and the actions they took after watching an ad, such as purchasing a product in a store.  Similar to Sorenson, Alphonso must partner with TV manufacturers for access to viewing data. Alphonso provides TV and chip manufacturers with free viewing data and analytics, in addition to paying them a fee, in exchange for the ability to insert its technology into the TV sets or chips.  The firm, which raised $5.6 million from its series A funding round earlier this year, has around 100 employees. The ad targeting product accounts for about 80% of the company’s revenue, and the remaining is from its data and analytics product, the company said.

UNCHARTED WATERS
Verance’s watermark technology will enable addressable advertising in “next gen TV”

Verance’s watermark technology has been protecting the music industry and Hollywood studios from piracy since the 1990s. Now, the 60-person, San Diego-based company is entering the TV ad business.  The firm was tapped by a coalition of TV associations to support a national broadcast update, dubbed ATSC 3.0, which eventually will make it possible for advertisers to serve targeted ads over broadcast airwaves to individual TV sets and mobile phones around the country. The update, which requires station infrastructure overhauls and consumer adoption of updated smart TVs that are not yet available in the U.S., could take a number of years.  Verance’s watermark technology, called Aspect, can generate data on which ads actually were presented on certains TVs or for certain households, as well as trigger the ads that are sent to viewers.  Stations, TV manufacturers, advertisers and other technology companies can license the watermark technology from Verance. Here’s how it works: A “watermark,” an inaudible sound effect that transmits a URL, is added into an ad or program. After the watermark is detected by the smart TV, Verance’s technology creates a report of where and when the ad ran.  When TVs are built with technology to receive a 3.0 broadcast signal, media companies and advertisers will be able to use Verance’s system to serve targeted ads. The technology will activate code that triggers and transmits an ad onto the screen. The “watermark” approach is different from “fingerprint” technology, which examines the audio or video signature of an ad or program and compares it to a database to determine what it is. Verance also offers data on specific households that it licenses from third parties. That data is used to help the advertiser figure out which homes and viewing devices to target. For example, if the people in the home have made greek yogurt purchases through online grocery shopping, a greek yogurt advertiser can then use that information to buy ads targeting certain households.

The company is currently working with a number of media companies, including one major broadcaster that’s using the watermark technology to collect viewership data and use it to inform its ad sales strategy. The company said it is also in talks with various TV manufacturers to include its watermark reader on their TVs.   Write to Alexandra Bruell at alexandra.bruell@wsj.com

SMPTE Aprova pacote padrão ST2110 para IP

SMPTE approves ST 2110 standards suite for IP

SMPTE Aprova pacote padrão ST2110 para IP

By George Bevir

18 September 2017

 

 

 

 

IBC2017: SMPTE has announced at IBC the approval of the first standards within SMPTE ST 2110, the standards suite for carrying content over internet protocol (IP).

IBC 2017: a SMPTE anunciou no IBC a aprovação dos primeiros padrões no SMPTE ST 2110, o padrão é adequado para transportar conteúdo por meio de protocolo de internet (IP).

 

IP Showcase in Room E106 at IBC2017

 

The Professional Media Over Managed IP Networks standards suite specifies the carriage, synchronization and description of separate elementary essence streams over professional IP networks in real-time for the purposes of live production, playout and other professional media applications.

“Radically altering the way professional media streams can be handled, processed and transmitted, SMPTE ST 2110 standards go beyond the replacement of SDI with IP to support the creation of an entirely new set of applications that leverage information technology (IT) protocols and infrastructure,” said SMPTE President Matthew Goldman, senior vice president of technology, TV and media, at Ericsson.

“Our Drafting Group worked diligently to complete the first documents of this critical standards suite.

 

“The formal standardization of the SMPTE ST 2110 documents enables a broad range of media technology suppliers to move forward with manufacturing and meet the industry’s high demand for interoperable equipment based on the new suite of standards.”

 

O pacote de padrões de redes de mídia Professional Managed IP Networks especifica o transporte, sincronização e descrição de fluxos de essência elementares, separados em redes IP profissionais, em tempo real, para fins de produção ao vivo, playout e outros aplicativos de mídia profissional. “Altera radicalmente a forma como os fluxos de mídia profissionais podem ser tratados, processados ​​e transmitidos, os padrões SMPTE ST2110 vão além da substituição do SDI por IP para suportar a criação de um conjunto inteiramente novo de aplicativos que utilizam protocolos e infra-estrutura de tecnologia da informação (TI)” Disse o presidente da SMPTE, Matthew Goldman, vice-presidente sênior de tecnologia, TV e mídia, na Ericsson. “O nosso Grupo de Redação trabalhou diligentemente para completar os primeiros documentos desta série de padrões críticos. A padronização formal dos documentos SMPTE ST2110 permite a uma ampla gama de fornecedores de tecnologia de mídia, avançar com a fabricação e atender a alta demanda da indústria de equipamentos interoperáveis ​​com base no novo conjunto de padrões”.

 

 

The new SMPTE ST 2110 standards are a primary focus of the IP Showcase at IBC2017, where SMPTE has joined forces with the Audio Engineering Society (AES), Alliance for IP Media Solutions (AIMS), Advanced Media Workflow Association (AMWA), European Broadcasting Union (EBU), IABM, Media Networking Alliance (MNA), and Video Services Forum (VSF) to support the event.

Os novos padrões SMPTE ST2110 são um dos principais focos da IP Showcase no IBC2017, onde a SMPTE uniu forças com a AES (Audio Engineering Society), Alliance for IP Media Solutions (AIMS), Advanced Media Workflow Association (AMWA), European Broadcasting União (EBU), IABM, Media Networking Alliance (MNA) e Video Services Forum (VSF) para apoiar o evento.

 

The IP Showcase features the latest advances in IP technology for the professional media industries and demonstrates how SMPTE ST 2110 standards add value. Numerous interoperability demonstrations assist broadcast/IT engineers, CEOs, producers, and others in understanding how they can leverage the benefits of ST 2110 standards.

According to SMPTE, with the ST 2110 standards, intra-facility traffic now can be all-IP, which means that organisations can rely on one common data centre infrastructure rather than two separate facilities for SDI and IP switching/routing.

The foundation for the first SMPTE ST 2110 standards came from Video Services Forum (VSF) Technical Recommendation for Transport of Uncompressed Elementary Stream Media Over IP (TR-03), which VSF agreed to make available to SMPTE as a contribution toward the new suite of standards.

SMPTE ST 2110 standards make it possible to separately route and break away the essence streams — audio, video, and ancillary data.

This advance simplifies, for example, the addition of captions, subtitles, and Teletext, as well as tasks such as the processing of multiple audio languages and types.

Each essence flow may be routed separately and brought together again at the endpoint. Each of the component flows — audio, video, and ancillary data (there may be multiple streams of each type) — are synchronised, so the essence streams are co-timed to one another while remaining independent.

 

O IP Showcase apresenta os últimos avanços na tecnologia IP para as indústrias de mídia profissional e demonstra como os padrões SMPTE ST2110 agregam valor. Numerosas demonstrações de interoperabilidade ajudam os engenheiros de transmissão / TI, CEOs, produtores e outros a entender como eles podem aproveitar os benefícios dos padrões ST2110.

De acordo com a SMPTE, com os padrões ST2110, a instalação agora pode ser All-IP, o que significa que as organizações podem confiar em uma infraestrutura de data center comum, em vez de duas instalações separadas para SDI e IP switching / routing. A base para os primeiros padrões SMPTE ST2110 veio da Recomendação Técnica do Video Services Forum (VSF) para a Transmissão de Stream Não-Comprimidos por IP (TR-03 ), que a VSF concordou em disponibilizar para a SMPTE, como uma contribuição para o novo conjunto de padrões. Os padrões SMPTE ST2110 tornam possível rotear e separar separadamente os fluxos essenciais – áudio, vídeo e dados auxiliares. Este avanço simplifica, por exemplo, a adição de geradores de carácteres, legendas e teletexto, bem como tarefas como o processamento de vários idiomas e tipos de áudio. Cada fluxo de conteúdo pode ser encaminhado separadamente e reunido novamente no ponto final. Cada um dos fluxos de componentes – áudio, vídeo e dados auxiliares (pode haver vários fluxos de cada tipo) – são sincronizados, de modo que os fluxos essenciais são co-timed um ao outro enquanto permanecem independentes.

Convergência no IBC:  Integração com IP e Futuro com Robôs

Convergência no IBC:  Integração com IP e Futuro com Robôs

16 de setembro 2017

IBC 2017:

 

Os executivos do IBC discutiram a continua evolução no cenário de midia, do Ultra HD a robôs semelhantes a humanos.

IBC continua a crescer, refletindo a continua evolução do cenário da mídia. O diretor executivo, Michael Crimp, disse em uma coletiva de imprensa na manhã de sábado: “A tecnologia sustenta tudo o que fazemos no IBC”.

Crimp explicou que a televisão tradicional é central para o IBC e que a mudança de tecnologia cria grandes oportunidades.

De ensaios 5G a 4K e 8K e a marcha para IP, o IBC gira em torno de um cenário de mídia dinâmica. “As tecnologias de entrega de alta resolução impulsionam a mudança e impulsionam o crescimento”, disse ele. “Há muitos vídeos em mercados adjacentes – mas eles não sabem quais são os aplicativos chaves. É por isso que eles vieram ao IBC.

 

“Estamos tentando evoluir e crescer à medida que a indústria evolui e cresce” – Michael Crimp.

170906 - Sophia

Convidado especial Dr. David Hanson da Hanson Robotics apresentou seus robos “Quase-Humanos”, o professor Einstein e Sophia, que interagem, têm movimentos faciais reativos e podem manter uma conversa.

170915 - Robot Sofia e Prof Eistein no IBC

Sophia disse ao reporter do IBC 365 que seu tópico favorito de conversa era o que outras empresas robóticas estavam fazendo.

Hanson admitiu que Sophia é infantil e ainda está aprendendo – no entanto, seu objetivo é criar robôs inteligentes para coexistir com humanos. “Hanson Robotics está aplicando inteligência artificial (AI) com tecnologia robótica para aplicações humanas”, disse Hanson.

A interface Full bandwidth ainda está em desenvolvimento, explicou Hanson. Em última análise, o ethos por trás da Hanson Robotics é transformar os robôs na vida, usando os avanços tecnológicos, para que eventualmente os robôs se conectem e trabalhem com seres humanos de maneira ética e inteligente.

“Como criamos inteligência artificial que excede a inteligência humana?” – O objetivo do Dr. David Hanson Hanson é que as pessoas “vejam tecnologias robóticas com a capacidade de se adaptarem, sejam criativas e sejam inteligentes”.

Sophia e o professor Einstein são a personificação desse conceito. Hanson disse que o impacto da evolução da AI (Inteligencia Artificial) ​​demonstra a possibilidade de aplicar a AI a um futuro onde os seres humanos e os robôs coexistem. Dr. Hanson, Sophia e Professor Einstein vão falar no Tech Talks Keynote: The Future with Robots that Are Like Us

 

O IBC está sempre olhando para o futuro

Phil White, Diretor de Tecnologia e Eventos IBC disse: “O IBC está sempre olhando para o futuro”, referenciando a Zona do Futuro e a vitrine do progresso da NHK na recepção e transmissão de 8K. O IBC Big Screen Experience possui um ambiente de visualização líder mundial com Dolby Vision, áudio imersivo, projeção laser 6P, alta faixa dinâmica (HDR) e ampla gama de cores (WCG).

 

Os Números do IBC 2017

O presidente do Comitê de Exposição do IBC, Roger Thornton, discutiu o papel vital da exposição IBC e informou que este ano, o espaço da exposição bateu recorde, chegando a 53.000 m2, um aumento de 800 m2 em relaçao à 2016. Atingiu 1700 exibidores, 264 dos quais foram novas empresas.

O registro de visitantes no IBC foi 4,7% acima do que foi em 2016, que Michael Crimp notou que tinha sido um ano recorde. O comparecimento final previsto para 2017 é de 57.191 , um aumento de 2,5% em relação a 2016 – embora o Crimp tenha dito que “pode ​​ser um pouco mais do que isso”.