Arquivo da tag: Iluminacao Tecnica

Energia 2018

Energia 2018 é a nova linha de produtos da Energia. Apresenta diversidade, qualidade e preço. É inovação no mais puro conceito de Estocolmo, onde não basta o desenvolvimento tecnológico mas, também a ampliação do acesso aos produtos por preços melhores.

Destacamos alguns produtos tais como:

EP-L300 – Bateria com 300Wh e apenas US$1.14/Wh. Tem o melhor custo-benefício no mesmo volume e com o mesmo peso das baterias de 210Wh.

LED Machine – Este super Fresnel tem 110.000 lux@1m, equivalente à 10 KW de tungstênio corrigido para 5600K.

LP-576 – Painel Multicolor com o melhor custo e TLCI acima de 95%, tem 4000 lux@1m.

LPS-400 – Painel Supersoft, Multicolor com 2000 lux@1m, porem com 120 graus de iluminamento e com TLCI de 97%.

LPS-RGBW – Novo painel RGB – Em Breve!

SuperSoft Uma Nova Tendência ou Uma Realidade?

Desde o ano passado, após o IBC 2016, a Energia lançava uma luminária-conceito, onde a luz gerada era super difusa e praticamente sem sombras.

Este ano no IBC2017, praticamente todos os fabricantes: Litepanels, Arri, Dedo, várias fábricas chinesas, etc, expuseram luminárias tipo “super soft”, confirmando o conceito lançado pela Energia um ano atrás.

Agora a Energia lança suas SuperSoft Lights com alta potência. São luminárias com mais de 3500 lux/m de intensidade e um surpreende ângulo de iluminamento (meia-potência) acima 120 graus, mais que o dobro dos painéis convencionais.

Está nova série de SuperSoft Lights tem 4 modelos:

  • SP-16FS;
  • LPS-790FS;
  • LPS-970FS e
  • LPS-1800FS.

 

Essas novas luminárias são totalmente construídas com uma liga de alumínio super leve e resistente, utilizam LEDs da CREE, com índices(*) de até 98% de fidelidade de cores.

já estão disponíveis para sua avaliação e para venda na Energia.

(*) Índices CRI, TLCI e TM-30 medidos com espectrógrafo UPRtek, modelo MK350N.

ILUMINAÇÃO COM ECONOMIA

Economize US$ 42.000,00 (Quarenta e Dois Mil Dólares)
Para cada Fresnel de Tungstênio Substituído por Fresnel de LED

A cada 40 mil horas de uso:

  •  Fresnel de Tungstênio queima 100 lâmpadas = US$4.300,00.
  • Gasta US$24.000,00 de energia elétrica e
  • Gera calor de 6840 BTU que irá consumir mais US$14.000,00 de energia elétrica.

Clique na imagem para ampliar

PETER GASPER e HENRIQUE LEINER Visitam a Energia

Rio de Janeiro, 28 de Janeiro de 2011. A Energia recebeu nesta manhã os dois mais ilustres mestres da Iluminação para uma longa e prazerosa visita. Peter Gasper e Henrique Leiner vieram conhecer a linha 2011 de produtos da marca.

Henrique Leiner, light designer e consultor do Projac (Centro de Produção da TV Globo) ficou muito impressionado com os novos LED Fresnel Lights F-45K e F-75K, “os outros são lanterninhas” declarou Leiner diante a intensidade de luz das novas luminárias.

Peter Gasper, mestre na Iluminação Cênica é também light designer de arquitetura do escritório Oscar Niemeyer, ficou impressionado com o excelente nível de qualidade de todos os produtos da linha 2011.

Vinicius Matos Visita a Energia

Rio de Janeiro, 27 de Janeiro de 2011. Vinicius Matos, multi premiado e internacional fotografo brasileiro, visitou a Energia e ficou muito impressionado com a linha 2011 de produtos. Durante as 3 horas da visita foram feitos testes e avaliações, alem dos acertos finais no modelo Prolite Slim77 By Vinicius Matos.

O Slim77 By Vinicius Matos é uma luminária com acessórios exclusivos e desenhados pelo fotógrafo.

.

Cadê o Luminotécnico?

5600K x 3200K

Na iluminação, assim como na pintura, existem dois lados, duas competências: a arte e a técnica.

Já há algum tempo que o luminotécnico vem desaparecendo do nosso meio, porem, o surgimento da  direção de fotografia na televisão acabou totalmente com o  equilíbrio das duas funções. O resultado é a predominância da preocupação estética em detrimento das questões técnico-científicas.

Como conversar com um diretor de fotografia questões como a física da luz? Como falar sobre diagrama espectral de sensibilidade dos sensores das câmeras? Das vantagens de fidelidade de cor de determinados tipos de luz? Como fazer ensaios para comparar relação sinal-ruído com diversas temperaturas de cor. Pode até existir diretores de fotografia sensíveis e interessados nestes temas, mas não é muito comum. Esse tipo de informação são mais interessantes à engenheiros e técnicos.

Qual a temperatura de cor que resultará numa melhor relação sinal-ruído, numa determinada câmera ou num determinado sensor?

Luz de 3200K com a extrema predominância de vermelho e com menos de 10% de azul pode resultar numa melhor imagem? Deve ser ainda, considerada uma referência?

Como avaliar tecnicamente uma luminária? Como especificar corretamente esse tipo de equipamento? Como comparar com segurança produtos de iluminação de diversos fabricantes.

Como criar protocolos de teste e de avaliação para homologação de equipamentos e produtos de iluminação? Quais medidores devem ser utilizados? Luxímetros, colorímetros, medidores de ângulo de iluminamento, espectrógrafos e etc, quem irá utilizá-los? O  diretor de  fotografia, o luminotécnico ou será que isso tudo seria relevante?

Será que todas essas questões não deveriam ser respondidas com a segurança natural do conhecimento científico?

Na nossa opinião, sem as respostas com o rigor científico a predominância será da forma e as marcas e jamais dos produtos de qualidade.