Arquivo da tag: luminárias

Energia 2018

Energia 2018 é a nova linha de produtos da Energia. Apresenta diversidade, qualidade e preço. É inovação no mais puro conceito de Estocolmo, onde não basta o desenvolvimento tecnológico mas, também a ampliação do acesso aos produtos por preços melhores.

Destacamos alguns produtos tais como:

EP-L300 – Bateria com 300Wh e apenas US$1.14/Wh. Tem o melhor custo-benefício no mesmo volume e com o mesmo peso das baterias de 210Wh.

LED Machine – Este super Fresnel tem 110.000 lux@1m, equivalente à 10 KW de tungstênio corrigido para 5600K.

LP-576 – Painel Multicolor com o melhor custo e TLCI acima de 95%, tem 4000 lux@1m.

LPS-400 – Painel Supersoft, Multicolor com 2000 lux@1m, porem com 120 graus de iluminamento e com TLCI de 97%.

LPS-RGBW – Novo painel RGB – Em Breve!

Anúncios

SuperSoft Uma Nova Tendência ou Uma Realidade?

Desde o ano passado, após o IBC 2016, a Energia lançava uma luminária-conceito, onde a luz gerada era super difusa e praticamente sem sombras.

Este ano no IBC2017, praticamente todos os fabricantes: Litepanels, Arri, Dedo, várias fábricas chinesas, etc, expuseram luminárias tipo “super soft”, confirmando o conceito lançado pela Energia um ano atrás.

Agora a Energia lança suas SuperSoft Lights com alta potência. São luminárias com mais de 3500 lux/m de intensidade e um surpreende ângulo de iluminamento (meia-potência) acima 120 graus, mais que o dobro dos painéis convencionais.

Está nova série de SuperSoft Lights tem 4 modelos:

  • SP-16FS;
  • LPS-790FS;
  • LPS-970FS e
  • LPS-1800FS.

 

Essas novas luminárias são totalmente construídas com uma liga de alumínio super leve e resistente, utilizam LEDs da CREE, com índices(*) de até 98% de fidelidade de cores.

já estão disponíveis para sua avaliação e para venda na Energia.

(*) Índices CRI, TLCI e TM-30 medidos com espectrógrafo UPRtek, modelo MK350N.

IBC e a luz FullSpectrum

IBC

O IBC 2016 teve uma unanimidade: a luz de Full Spectrum, a luz 4K.

Obvio! A consolidação do 4K levou a isso. Com seu enorme espaço de cor e com maiores latitudes de contrastes, a produção em 4K exige uma iluminação compatível com a capacidade de registro dos sensores 4K.
A produção em HD antecipou o problema, mas agravou mesmo com o 4K. Não foi só um incremento na quantidade de cores mas também na gradação tonal.
O novo índice de avaliação de luz, o TM30, proposto pela IES deixa isso muito claro. Ele mede não apenas mais cores (100 cores contra 16 do TLCI e apenas 8 do CRI) mas esse novo índice mede a saturação.

É chato dizer mas já falávamos disso em 2013, em 2014 fomos os pioneiros em lançar uma linha de luminárias de LED Full Spectrum.
A “fila” está andando rápido demais. Tem muita gente boa que ainda nem entendeu o CRI, mas o padrão já mudou para o TLCI e agora é o TM-30.

Assim, você tem 3 alternativas: usar a luz do Sol, tentar ressuscitar o falecido tungstênio ou avançar para os LEDs Full Spectrum da Energia.

Reflexão sobre Luminárias de LEDs

Quando a Energia iniciou suas pesquisas para desenvolver  luminárias de LED para uso em videos, a unica opção que havia eram LED bulbs de 20mW. Isso foi há 15 anos atrás, quando fizemos nossa primeira luminária.  Naquele tempo, se você precisasse de uma luminária com alta intensidade,  algo em torno de 1000lux@1m,  teria que juntar aproximadamente 1000 LEDs, montados  num painel.

PROLITE STV

O 1×1 da Litepanel tornou-se referencia na primeira década dos anos 2000, porém, antes disso, a Energia já tinha lançado seu painel de LED chamado SuperTV. No entanto, é preciso dizer, que os painéis de LED nunca foram a melhor solução para o uso em video e fotografia. Os painéis de LED possuem 1000 LEDs ou mais, o que significa 1000 pontos de luz, ou 1000 sombras, ou até mesmo 1000 difrações em cada folha do barndoor. Isso costumava ser um pesadelo para os iluminadores ou fotógrafos. Porém a portabilidade e o baixo consumo dos paineis de LED abriram novas portas. Hoje, é encontrado em qualquer local de produção de video: no começo em unidades móveis para noticiários e depois em estúdios de televisão e de produtoras, mesmo com a restrição do CRI baixo.

chipCOB

 

 

 

A industria de LED oferece, esse ano, o COB – Chip on Board LED – com potência de 5W à 300W, um chip não tão caro e capaz de gerar uma luz com alto CRI. Uma única fonte de luz capaz de gerar um espectro completo como as antigas lâmpadas de tungstenio e com CRI entre 95% e 98%. Os dois últimos problemas com LED terminam. Além desses benefícios, o COB vem com uma ótima solução para o problema de aquecimento. A transferência térmica é diretamente do chip de LED para seu dissipador.

CRI

Eu acredito que as novas luminárias de LED para produção de video devam optar pelo LED COB ao invés dos LEDs usados nos painéis. Essa ecolha permite luminárias com novos formatos, novas geometrias e o uso de lentes Fresnel. Mais luz e mais econômicas que as lentes de vidro, tornando-se, sem sombra de dúvida, a nova geração de iluminação.

HW-11000

As luminárias maiores já estão sendo fabricadas com o COB, o próximo passo é aplicarem nas luminárias on-camera também.

 

___________________________________________________________________________

Thoughts about LED Lights

 

When Energia began your research on LED Lights for video application, the only option was the 20mW LED lamp. This happened 15 years ago when we manufactured our first light. Backing than, if you needed a strong light for your shooting, you would go for something around 1000 lux @ 1m, which required approximately 1000 LEDs built in a big panel full of LEDs.

PROLITE STV

The Litepanels 1X1 became a reference in 2000’s, however Energia made its first LED panel before that called SuperTV LED Light. However, it must be said that LED panels never were a good solution for photography/video using. The panel LED lights had 1000 LEDs or more, which means 1000 light sources, or 1000 shadows or even 1000 diffraction on each barn door leaf. This used to be a “nightmare” for the video lighting designers or photographers. However the portability and low power consumption of the LED panels opened its own ways. They was found in all video producing site: ENG units for hard news at the beginning, drama studios and even on low CRI restriction.

chipCOB

 

 

 

 

The LED industry offers this year the COB – Chip on Board LED – with power from 5W to 300W, in a non-expensive chip capable of generating high CRI light. The only one light source of being liable to providing something like that was the old tungsten bulbs and with full spectrum light with CRI over 95% and 98%. The two last LED problems fall. Beside these benefices, the COB came with a good heat solution. The thermal transference is directly from the LED chip to its heat sink.

CRI

I believe that the new LED lights for video producing must be COB LED instead of the panels. This choice will permit new light formats, new light geometries, and the using of the PC Fresnel lens, more light and less expensive than glass lens will reveal a new light generation.

HW-11000

The big lights already done and the next one will be the on-camera lights to change to COB too.

Roadshow Energia

ROADSHOW ENERGIA – Brasilia – DF

O 1º Roadshow da Energia em parceria com a Multisale foi um sucesso!

Foi um dia bastante movimentado no auditório da reitoria na UNB – Brasilia e que contou com a presença de diversos profissionais da área de video no ultimo dia 29/02.

E o evento não parou por aí! A Energia visitou as principais emissoras de Brasilia para acompanhar o trabalho desses profissionais e entender suas necessidades e trabalhar ainda mais para oferecer as melhores soluções para vocês.

Este slideshow necessita de JavaScript.


A Energia agradece a presença de todos os participantes e anuncia que está se preparando para o próximo roadshow que acontecerá em SP no dia 20 de março.

Está ficando difícil escolher uma luminária de LED?

Minha sugestão é fazer foco nos seguintes pontos:

1 – Intensidade de Luz;
2 – Ângulo de Iluminamento;
3 – Garantia de Durabilidade e
4 – Preço.

 

1 – Intensidade de Luz

Quanto mais intensa melhor a luminária. Isso parece óbvio.

O problema é que essa informação não está clara na maioria dos fabricantes.

Luz se especifica com lux@1m, o que significa a quantidade de luz medida em lux a 1 metro de distância da luminária.

 Mas não é somente a intensidade numa direção e sim numa área ou sobre um ângulo de iluminamento.

2 – Ângulo de Luz – A luminária deverá Iluminar o que a câmera vê.

Como suponho que você está procurando uma luminária para seu evento o seu foco deve ser na lente da sua câmera, qual o ângulo que ela é capaz de ver e sobre tudo com que relação de aspecto.

 No sistema atual de televisão a relação de aspecto é 16X9 e assim as lentes estão cada vez mais abertas. Uma luminária deverá acompanhar o que a câmera é capaz de ver. Assim o ângulo de iluminamento deverá ser no mínimo de 60 graus, entre os limites de metade da intensidade.  

3 – Garantia de Durabilidade – Calor é Fatal para o LED

Os LEDs produzem pouco calor, esse pouco pode ser fatal para sua durabilidade. Assim, o controle eletrônico de temperatura do LED é mais que necessário, é fundamental.

 As luminárias Prolite são as únicas com VCD – Virtual Cooling Device, patente tecnológica brasileira que a Energia tem muito orgulho de ter desenvolvido e que resolve o problema de temperatura do LED.

 Por isso, procure luminárias com garantia incondicional, pois somente quem controla a temperatura poderá, honestamente, oferecer garantia longa.

 4 – Preço – Não Compre Luminária, mas Sim Luz que ela Gera

O preço a ser analisado é o do Lux. A melhor luminária é a que fornece mais Lux por menos R$. 

Não se esqueça do ângulo de luz, ele deve ser de 60 graus ou acompanhar a lente de sua câmera.

As Luminárias Prolite

Luminárias Prolite – Motivo de Muito Orgulho e Satisfação

Falar das luminárias Prolite é falar, sobre tudo, de uma pequena empresa brasileira, a Energia, onde um grupo de profissionais sem ajuda de nenhum governo, desenvolve inovação tecnológica dentro do mais puro conceito de Estocolmo:  onde não basta ser novidade, tem que ser aplicada e com sucesso de público e de bilheteria.

 

Inovação Tecnológica

Prolite é um dos pioneiros na iluminação profissional com o uso de LED. O Prolite é hoje a marca com maior diversidade de modelos de luminárias. Existem modelos para externas e para estúdios, para jornalismo e para teledramas. São luminárias para câmeras (on-camera light), para mão (hand light) e para tripés e grid (Studio light). São as luminárias de LED mais potentes do mercado nas diversas categorias. Os seus modelos mais recentes: Prolite Turbo, Prolite Six, Prolite SuperTV Multifocus e o Prolite SuperTV Multicolor, são os últimos lançamentos de 2009.

 

Calor – O Prolite Trata a Causa, Não a Conseqüência

As luminárias Prolite são as únicas com VCD – Virtual Cooling Device. Trata-se de patente brasileira que demonstra a supremacia dos seus produtos. Como todos sabem o calor é o principal problema dos semicondutores e o LED é um diodo semicondutor que emite luz. Embora emita pouco calor, isso pode ser decisivo no seu tempo de vida útil. Assim tratar corretamente essa questão é fundamental. O VCD impede que o LED aqueça controlando a causa do calor.

 

Respeito ao Meio-Ambiente

Todos os produtos da Energia utilizam somente componentes com certificado RoHs (Restriction of Certain Hazardous Substances). Isto significa que todos os componentes e partes atende diretiva da Comunidade Européia (CE) que proíbe o uso de substâncias perigosas tais como: cádmio (Cd), mercúrio (Hg), cromo hexavalente (Cr(VI)), bifenilos polibromados (PBBs), éteres difenil-polibromados (PBDEs) e chumbo (Pb).

 

Comprometimento e Seriedade

Prolite segue a filosofia da Energia, onde o cliente tem sempre razão e garantia não se discute: é incondicional. 

Estamos no BNDES o que certifica a nossa regularidade fiscal e a origem dos nossos produtos – Prolite é uma marca brasileira, fabricando produtos de tecnologia de ponta com mais de 90% de índice de nacionalização. Com o Cartão BNDES você pode comprar os produtos Prolite em até 48 vezes com somente 0,97% de juros.

Depois de tudo isso, você terá que ter um motivo muito especial para preferir uma marca estrangeira. 

http://www.energia.tv/produtos_luminarias.asp

5600K – É Mais que Desejável, é Inevitável

Ao analisarmos uma luminária devemos verificar 3 quesitos:

  1. A Intensidade Luminosa;
  2. A Qualidade da Luz e
  3. O Custo Operacional.

Alem disso, Fatores Operacionais tais como:  portabilidade, operação remota, possibilidade de uso de baterias, são quesitos também importantes.

Vejam no artigo anexo, 5600K – Em Algum Momento Voce Vai Converter , uma análise simples sobre esse tema.

PARA QUE SERVE UMA LUMINÁRIA?

A pergunta pode parecer primária, principalmente num ambiente profissional, mas não é. Uma luminária serve para iluminar, essa é a sua principal função. Assim, quanto mais iluminar melhor.

Para melhor iluminar tem que ter maior intensidade sobre uma área desejada. Para medir intensidade em uma área usamos a grandeza de medida lux  e definimos o ângulo do facho luminoso ou ângulo de iluminamento em graus.

Com a nova relação de aspecto das câmeras ampliado de 4X3 para 16X9, o ângulo de iluminamento passou a ser um aspecto tão importante quanto a intensidade em lux. O ângulo de 60 graus está de acordo com as lentes e com essa nova relação da imagem. O ângulo deve ser medido entre os limites que corresponde à metade da intensidade máxima, pois assim garantimos que a área iluminada estará dentro do mesmo diafragma.

Pronto! já podemos ir às compras, basta procurar a luminária de maior lux@1m (lux à 1 metro) e o ângulo de iluminamento de 60 graus.

Por incrível que possa parecer são poucos os fabricantes que informam, claramente, o quanto suas luminárias iluminam e muito menos qual o ângulo de iluminamento!!! Na planilha anexa (Comparação de Luminárias de LED) estão a maioria das luminárias disponíveis. Vejam que apenas a Energia especifica claramente quantos lux e quantos graus tem o ângulo de iluminamento de suas luminárias.

É claro que existem outras atribuições que devem ser observadas nas luminárias, tais como: a qualidade da luz (temperatura de cor); a alimentação elétrica (suporte de bateria, AC adaptor, etc); se tem dimmer; quanto pesa e importante, quanto pesa no bolso.

Fique atento! Se ligue no valor-função Lux/R$ e no ângulo.